O que você deveria saber sobre dinheiro aos 18 anos

17/04/2017 | Erika Ferraz

Em um país como o Brasil onde as taxas de juros são elevadas, praticamente a maior entre os países no momento atual, o financiamento é incentivado pelas mais diversas propagandas e comerciais de pessoas bem sucedidas.

Com os bancos facilitando o crédito, qualquer erro que envolva dinheiro por menor que seja, pode te trazer consequências ruins por um longo período de tempo ou até mesmo te levar à falência!

Por isso resolvi te contar algumas coisas que demorei para aprender e que busquei por conta própria, pois não encontrei ninguém disposto a conversar sobre dinheiro aos meus 18 anos. Estas informações poderiam ter mudado o meu hoje se tivesse acesso a elas mais cedo, e é exatamente isso que espero que aconteça com você, então aproveite!

Primeiro: Curto ou longo prazo?

Aos 18 anos temos todo o tempo do mundo, conseguimos fazer tudo o que queremos, nosso dia parece ter muito mais que 24 horas. Não importa o número de atividades em que estamos envolvidos, sempre podemos participar de algo mais.

O tempo parece não ser um problema ao mesmo tempo que passa tão rápido ou ainda pode parecer tão distante se pensarmos em 5 ou 10 anos adiante.

Nessa fase costumamos ser afobados. Parece que a nossa cabeça não funciona no longo prazo. Respire e aproveite o tempo a seu favor. Não seja imediatista. Conquistar um bom trabalho e bens materiais, por exemplo, requer estudo e principalmente tempo.

Aprenda a lidar com consumo de forma consciente. Racionalize, pois o que parece bom a curto prazo pode te trazer problemas a longo prazo. Tome suas decisões com calma para não comprometer suas finanças e entrar numa “bola de neve” sem perceber.

Segundo: O trunfo para o futuro!

Quanto mais cedo você começar a acumular dinheiro,  mais cedo você vai poder usufruir dele. Cuide muito bem dele, inicie o hábito de pagar a si mesmo.

Isso mesmo, ao receber o seu salário ao invés de sair pagando contas, e comprando o que não deve, estipule um pagamento para você do seu próprio salário (isso é conhecido como independência financeira, só que sem depender do governo, sacou?).

Assim você estará criando um hábito que irá evitar que você fique no escuro, esse é o trunfo para o futuro!

Você pode encontrar mais informações sobre como criar uma reserva de emergência e como poupar conscientemente em uma de nossas oficinas, acesse o site: www.pulsefinancas.com.br/oficina.

O dinheiro é apenas um meio para a liberdade e a qualidade de vida. Diga ao dinheiro para onde ele deve ir, e não fique se perguntando: “pra onde será que ele foi?”

Terceira: Coisa de gente rica

Se você pensa que planejamento financeiro é coisa de gente rica, está certo! E você sabe por que elas são ricas? Porque fazem um planejamento financeiro, entendeu?

Com um planejamento financeiro, você consegue visualizar melhor seu dinheiro, de onde ele veio, quanto ele é e pra onde ele está indo. Quanto mais rápido você entender essa dinâmica, mais rápido você vai se aproximar dos seus sonhos e objetivos.

E sobre investir, o que você pensa? Também é coisa de rico? De quem tem dinheiro? Está certo, e é por isso que você também precisa fazer! Se ele é rico hoje é porque um dia ele começou a investir, e você pensa que ele tinha muito dinheiro no começo?

Nem sempre, hoje em dia já é possível entrar no mercado de investimentos com apenas R$30,00. Gente rica não trabalha por dinheiro e sim por sonhos e objetivos. Ao invés de trabalhar por dinheiro é o dinheiro que trabalha por eles. Mas como assim?

Simples, ao invés de pagar juros aos bancos contratando empréstimos, eles emprestam dinheiro para o banco: aí recebem juros (isso se chama investimento) e se utilizam do benefício dos juros compostos e de planejamento financeiro.

Planejamento é para todo mundo, é a sua grande ferramenta para ter sucesso nas finanças.

Quarta: Sobre dinheiro

Entender sobre dinheiro é tão vital quanto aprender a andar, mas não é tão natural quanto. Infelizmente no nosso país a educação e educação financeira não tem recebido o investimento necessário para uma formação adequada, fica a nosso critério buscar mais informação e conhecimento a respeito de dinheiro.

Não tenha medo de falar sobre, pergunte, tenha curiosidade sobre como os outros tomam decisões. Aprender com o erro dos outros é muito mais barato do que errar por conta própria.

Compartilhe seus conhecimentos e questione práticas que foram adotadas com o decorrer do tempo em busca de desenvolver para todos um hábito melhor.

Afinal, o que realmente importa sobre dinheiro é o que ele te proporciona e não quantos dígitos você tem na conta bancária. O real valor do dinheiro está no que ele faz por você, onde ele te leva, no conhecimento que ele pode te gerar, devemos olhar para ele como um meio para realizarmos e alcançarmos nossas metas e objetivos.

Para cada realidade existirá um motivo, mas o mesmo conceito: Não importa o quanto dinheiro você tem ou o quanto você ganha, mas sim como você gasta.

Quinta: Consumo e prioridades

Quem é que não gosta de estar bem vestido, equipado, motorizado e morar bem? Mas, dependendo do momento e a fase da sua vida, priorizar vai fazer muito mais sentido e ser muito mais importante pra você do que consumir.

Priorizando e definindo etapas para adquirir uma coisa de cada vez, por exemplo, irá te gerar um sentimento de contentamento e alegria por muito mais tempo do que se você  tivesse comprado tudo de uma única vez. Sua alegria certamente iria acabar na primeira fatura a pagar.

É como se você ganhasse 1kg de chocolate e comesse tudo no mesmo dia… além de passar mal, no dia seguinte vai querer comer um pedacinho que seja do chocolate e vai ficar só na vontade.

Antes de sair consumindo use a seguinte regra para estabelecer um critério de compra: pergunte a si mesmo: “Eu quero?” “Eu mereço?” “Eu preciso?” “Eu posso?” “Eu devo?”

Se você respondeu sim para todas as 5 perguntas, vá em frente e compre com gosto! Já se apareceu algum, não, pelo meio, talvez seja melhor esperar ou reavaliar o que está pensando em comprar.

Equilíbrio é a palavra-chave na vida!

Comentários

comentários

Share on FacebookPin on PinterestTweet about this on TwitterShare on LinkedInGoogle+