A 3 passos da sua independência financeira

21/02/2018 | Erika Ferraz

Conquistar a independência financeira é o sonho da grande maioria dos jovens brasileiros. O problema é que, segundo uma pesquisa do SPC Brasil, 4 em cada 10 jovens de 18 a 30 anos (38,7%) não se preparam para a aposentadoria.

Muita gente pensa que se aposentar é parar de trabalhar. Pode até ser, mas na nossa visão, ter um plano de aposentadoria é saber o que precisa ser feito hoje pra que, daqui a um certo tempo, você não dependa mais do trabalho para viver.

Percebeu a diferença? Isso é o que a gente chama de independência financeira. Já imaginou em não ter mais dor de cabeça pensando: “E se eu perder meu emprego amanhã?” ou “Quanto será meu salário quando eu me aposentar pelo INSS?” ou ainda: “Será que um dia vou conseguir tirar aquele sonho do papel e fazer o que gosto?”

 

Mas como será que isso é possível? Explico: você poupa um valor “x” todo mês por tanto tempo… no final desse período você vai ter um montante acumulado tal que, investido da maneira correta, vai te gerar uma renda sem você precisar fazer nada além do que já fez esses anos todos. É a tão conhecida renda passiva. Fruto do seu trabalho e planejamento durante a sua fase mais produtiva!

E tudo isso pode ser conquistado muito antes do que você imagina! Basta você seguir os 3 passos abaixo rumo à sua independência financeira:

 

Passo 1: Tenha um plano de vida

Já ouviu aquele ditado: “Pra quem não sabe pra onde vai, qualquer caminho serve”? Isso vale pra qualquer coisa que queira fazer na vida. Tenha um plano claro e bem definido.

Pra isso, você precisa ter metas pra atingir esse plano. Elas precisam ser:

  • específicas: saiba exatamente o que está fazendo
  • mensuráveis: defina como você saberá que está no caminho certo
  • atingíveis: o que precisa ser feito pra você chegar no objetivo final? Divida em metas menores e veja se é possível
  • relevantes: crie um significado e importância pra cada meta
  • com tempo estabelecido: prazo, prazo, prazo!

No caso do seu plano de independência financeira, você precisa definir:

  • quando deseja que isso aconteça (com quantos anos não quer mais depender do trabalho pra pagar as contas)
  • qual a renda mensal que deseja ter nessa fase
  • de quanto será a reserva total acumulada que será necessária para gerar a renda
  • por quanto tempo irá usufruir (consumir) toda essa grana
  • quanto terá que poupar por mês pra chegar lá

 

Passo 2: Faça um planejamento financeiro

Sabe qual a desculpa de quem não se prepara para a aposentadoria? 36% dizem que nunca sobra dinheiro, outros acreditam ser cedo para pensar nisso (21,7%), e ainda há os que não sabem como fazer (21,3%). Alguma semelhança aí?

Pois é, de nada adianta ter um bom plano de vida se não tiver um planejamento financeiro que dê vida e estrutura pra esse plano.

Um projeto como esse é muito grande e importante pra ficar esquecido no meio de tanta conta pra pagar… É preciso ajustar os gastos, saber pra onde vai o dinheiro, fazer sobrar dinheiro no final do mês. E mais do que isso: tratar esse projeto com a devida relevância dentro do seu planejamento financeiro.

Tá aí um grande segredo para o sucesso do seu plano: planeje primeiro os grandes sonhos (longo prazo) e encaixe os sonhos menores (curto e médio prazo) no seu dia-a-dia. Assim você tem a certeza de que o futuro está garantido, sem deixar de viver o hoje da melhor maneira possível.

E se você ainda acha que é muito cedo pra toda essa conversa, ainda não conhece o incrível poder dos juros compostos! Quanto antes você começar, menos vai se esforçar e mais o dinheiro vai trabalhar por você. Pense nisso!

“Obrigada”. De nada!

Ok, já entendi que você está entre os que não sabem por onde começar… Então aqui vão 9 passos para o seu plano infalível:

  1. Anote todos os seus gastos por um mês: você precisa saber pra onde está indo seu dinheiro e conhecer os seus gastos. (não é a vida toda, só por 1 mês)
  2. Organize os seus gastos por grupos: gastos pessoais, coletivos, imóvel, veículo, dívidas…
  3. Faça um planejamento mensal dos valores com cada gasto. Use como base o que você anotou e também as contas e despesas que ocorrem
  4. Mensalise todos os seus gastos. Nunca sobra dinheiro pra viagem de férias? Calcule o valor total desse sonho e divida pelos meses até a viagem. Parcele pra você mesmo ao invés de pagar parcelado com juros. Vá poupando um valor todo mês. No momento da viagem já terá pago tudo à vista, com desconto e sem dívidas.
  5. Faça um plano para quitar as dívidas, se for o caso. Comece pelas menores e com juros mais abusivos, como cartão e cheque especial. Troque dívidas mais caras por mais baratas. Que tal pegar um empréstimo consignado ao invés de virar todo mês no vermelho?
  6. Faça a comparação com as suas receitas mensais e veja se tudo cabe no plano.
  7. Enxugue gastos, se necessário. Diminua o valor total da viagem ou reduza a quantidade de vezes que pede comida em casa, por exemplo. Faça ajustes que vão fazer a diferença no longo prazo e que ao mesmo tempo mantenha uma qualidade de vida no presente.
  8. Projete os gastos para todos os meses do ano e faça ajustes pontuais no plano, se necessário.
  9. Se possível, procure a ajuda de um educador financeiro. Esse profissional trará todas as ferramentas necessárias para fazer esse planejamento acontecer, adequado à sua necessidade, de forma acelerada e assertiva. E o melhor, você vai aprender a lidar com seu dinheiro sozinho.

 

Passo 3: Tenha investimentos mais dinâmicos

Agora que você já sabe quanto vai poupar por mês para o seu plano de aposentadoria, não vai me colocar esse dinheiro na poupança… (a não ser que queira levar o dobro do tempo pra conquistar o seu sonho)

É o que faz a grande maioria dos jovens que tem a boa vontade de se preparar pra aposentadoria, mas não tem ideia do que estão fazendo com o dinheiro. Segundo o SPC, eles aplicam na poupança ou então contribuem de forma autônoma com o INSS (que também não rende lá aquelas coisas…)

Aprender a investir direito é a chave do sucesso do seu plano de aposentadoria. Isso irá acelerar o seu plano, te dará mais autonomia pra arriscar e trará mais liberdade para fazer as melhores escolhas de estilo de vida.

Como esse é um plano de longo prazo e você só vai precisar da grana lá na frente, você vai conseguir ter acesso a aplicações mais rentáveis… e aí é ver o poder dos juros compostos trabalhando pra você: mês após mês o dinheiro é acumulado sobre o saldo, que acumula sobre o saldo, que acumula…

Nesse cenário, pequenas diferenças na rentabilidade mensal farão uma baita diferença lá no final (rimou! =P)

“Ah, mas pra ganhar mais, vou ter me arriscar muito mais” – não necessariamente. Há investimentos seguros e com riscos minimizados para o longo prazo, mas com ótimas rentabilidades. Pra esse plano, saia dos investimentos do banco e abra uma conta em uma corretora.

Aqui vão algumas sugestões:

  • Procure um bom (eu disse bom) plano de previdência privada aplicado em renda variável
  • Escolha boas ações de empresas sólidas e utilize o método construtor (compre um pouco a cada mês) ou aplique em um bom fundo de ações
  • Faça um mix dessas duas estratégias e diversifique

 

Dica Bônus: Seja perseverante e consistente

Esse é um plano que exige regularidade para ser bem sucedido. Não desista no meio do caminho. Se não conseguiu fazer sua aplicação em um mês ruim, reponha em outro. Estabeleça metas e cumpra-as. A consistência nas suas aplicações todos os meses é o segredo que muitas pessoas acabam deixando de lado. Não se sabote. Separe esse dinheiro primeiro. Faça aplicações programadas para a sua conta na corretora.

 

A gente pode te ajudar na construção e execução do seu plano de independência financeira! Veja como clicando nesse link.

 

Ao invés de ficar pagando juros por aí, pague juros pra você mesmo e colha os frutos em um futuro bem próximo! Viva bem o seu hoje tendo a tranquilidade de que o seu amanhã está bem planejado 😉

 

Comentários

comentários

Share on FacebookPin on PinterestTweet about this on TwitterShare on LinkedInGoogle+